Relação de homem e bichos de estimação

bichos de estimação

“Bichos de estimação, na verdade, é uma expressão que não contempla a magnitude do afeto envolvido.”  – Liana Scipião

Nossa relação com bichos de estimação – Não é de hoje que homens e animais convivem tranquilamente, tendo uma relação de amizade e companheirismo, sendo alguns deles considerados “o melhor amigo do homem”, mas será que é somente o melhor amigo ou vai muito além disso? Um dos exemplos mais conhecidos de amizade entre o cão e o homem é a história do cão Hachiko e sua lealdade ao seu dono mesmo este tendo morrido. Uma história tão linda e comovente que inspirou o filme “Sempre ao seu lado“.

“Já tive outros animais de estimação, como passarinho, gato, coelho, mas o que realmente acabou se tornando um membro da família foi o cachorro, por ser mais dependente de carinho, por ser mais companheiro, pela própria possibilidade de interação, já que não está em gaiola e nem livre em quintal. O Dado é mais que um membro da família, ele é minha família. Ele é o melhor confidente, que me aconselha de maneira calada, mas que me sinto confortável ao seu lado. Ele é tratado como uma criança que necessita de carinho e atenção e muito amor. Ele é o irmão que nunca tive e temos nossos momentos de birra.” – João Vitor de Lacerda, Estudante de Odontologia. 

bichos de estimação
Dado, irmão do João Vitor.

Um estudo, realizado por Miho Nagasawa na universidade japonesa Azabu, comprovou que há um vínculo especial entre o homem e seu melhor amigo, o cachorro. Construído em um processo hormonal, ativado ao se olharem, que funciona de maneira semelhante ao que se dá entre mãe e filho. O olhar entre o cachorro e seu dono dispara nos dois os níveis de ocitocina no cérebro, hormônio relacionado a padrões sexuais e a conduta paternal e maternal. A ocitocina atua também como neurotransmissor no cérebro e tem um papel importante no reconhecimento e estabelecimento de vínculos sociais, assim como na formação de relações de confiança entre as pessoas.

O estudo foi realizado com várias pessoas e seus companheiros caninos, interagindo por 30 minutos, após o termino da interação mediram os níveis de ocitocina tanto na urina dos cães como na de seus donos, constatando que o contato visual constante entre eles elevou os níveis do hormônio nos cérebros de ambos.

“ Eita. É como se fosse filho mesmo, qualquer coisa diferente geral já se preocupa, não importa a hora que chega leva ele na rua, ele não fica sozinho, como estou estudando ele fica comigo. Por isso, eu e ele é uma relação bem forte, onde eu vou ele vai. Quando eu estava em Fortaleza, estava morrendo de saudade dele. É mais ou menos isso, não precisei engravidar para ter filho” – Pérola Cristina, Bacharel Defesa e Gestão Estratégica Internacional. 

bichos de estimação
Potter e Pérola
bichos de estimação
Pérola e Potter

Não é à toa que muitos “donos” de bichos de estimação, se denominam de “Pais e Mães de filhos de quatro patas”. Eles são considerados da família, um membro indispensável, participando de quase todos ou todos os momentos familiares. Quem convive com essas pequenas criaturas maravilhosas sabe o valor de cada brincadeira, de cada mordida, de cada pedido de carinho, de cada passo dado um ao lado do outro, uma saudade que se sente a cada viagem ou ida ao trabalho, e principalmente quando eles se vão. Essa relação não resume somente em cachorros, mas também gatos, aves, cavalos e o mais novos animais de estimação, os porquinhos. Quem tem bichos de estimação sabe o quão sintomatizados são com seus parceiros, ficando triste quando o outro está triste e a alegria contagiante e renovadora passada dos animais para os seus “pais”.

“Bom, minhas gatas são minhas bebezinhas. As duas foram resgatadas da rua e eu não me imagino hoje sem elas. Foram grandes presentes na minha vida. Nem todo mundo aceitou a estadia delas no início aqui em casa, mas hoje, são só amores! São da família também. O cuidado e o carinho que a gente tem com elas é como se fossem filhas mesmo, é muito amor. Apesar de que dizem que gatos são interesseiros, eles têm muito amor para dar também. É muito bom chegar em casa e encontrar elas na porta me esperando, ou quando eu to triste/doente elas deitam junto de mim e começam a ronronar. Tem as brincadeiras. Enfim, a companhia é maravilhosa. E todo mundo deveria ter uma companhia dessas.” – Raíssa Magalhães, Estudante.

bichos de estimação
Raíssa e Pretinha
bichos de estimação
Mary Jane

“Desde que me entendo por gente, tenho bichos de estimação. “Bichos de estimação”, na verdade, é uma expressão que não contempla a magnitude do afeto envolvido. São eles que, em todos os momentos, trazem alegria à casa – até quando fazem xixi no lugar errado e nos olham com olhos de “por favor, eu amo vocês, não se irritem”. Sempre somos recebidas com latidos eufóricos, lambidas e saltos (mesmo quando só nos ausentamos de um cômodo e retornamos minutos depois). É engraçado perceber como cada um tem traços de personalidade singulares, encontrando, a seu modo, formas únicas de se expressarem: o drama sem precedentes do Bob quando quer brincar e estamos ocupadas; o charme que o Theo faz com as patinhas para exigir cosquinha em suas costas; o olhar do Gato de Botas do Shrek que a Nina utiliza a fim de que fiquemos um pouco mais no quintal… Nossa vida seria mais vazia e melancólica sem eles. Recebemos amor diariamente por meio deles e somos extremamente gratas por isso!” – Liana Scipião e Luana Scipião, Psicologa e Estudante de Direito respectivamente. 

bichos de estimação
Théo e Luana
bichos de estimação
Bob
bichos de estimação
Luana e Nina

Há muito tempo os bichos de estimação ajudam pessoas debilitadas ou com necessidades especiais, como o Projeto Cão Terapeuta, criado por Alexandre Rossi em 1998, que até 2013 fazia parte de um projeto social do Cão Cidadão, e já levou alegria pra muita gente. Hoje esse projeto faz visitas as várias instituições que cuidam de crianças, adolescentes, adultos , idosos enfermos, carentes ou portadores de alguma deficiência física ou intelectual. Consegue atender cerca de 250 assistidos por mês e, para manter e aumentar esse número, conta com o apoio de empresas especiais.

E no Brasil o Hospital Albert Einstein foi o pioneiro na aceitação da visita dos bichos de estimação, depois de 3 anos de testes e de preparação de sua equipe o hospital liberou, sob rígido protocolo, que bichos de estimação, visitem pessoas internadas mesmo em unidades semi-intensivas. Outros hospitais no Brasil também estão aceitando visitas dos familiares de quatro patas.

“Meus bichos são meus amores. Aqui em casa temos camas para eles espelhadas pela casa inteira, porque onde estamos eles estão juntos, dormem todos 5 no nosso quarto, e os 2 pequeninos dormem na nossa cama, eles têm uma interação imensa com a gente, e muitas vezes dá a impressão que eles entendem absolutamente tudo o que conversamos com eles. O meu marido é igual ou pior (quer dizer, melhor), ainda estraga mais os cachorros com tantos mimos. A bege do meio (Lira) tem hipotireoidismo, o que nos obriga a dar remédios duas vezes por dia, para resto da vida, a mais novinha de todas (Daisy) tem uma dermatite crônica e temos que levar a consultas de dermatologia, e comprar ração específica e caríssima, e passar o creme todos os dias e dar banho todas as semanas. A maior e mais velha (Vitória), como passa o dia inteiro pulando o muro pra ir visitar os vizinhos, já tem atrozes bem avançada, no mais é super carinhosa. A média que é branca e amarela (Nina) tem epilepsia, o que obriga também a consultas periódicas e medicação específica, o Simon, único rapaz da turma é mega saudável e mega brincalhão. De uma maneira geral todos eles são muito amorosos e fazem parte integrante das nossas vidas. As 3 meninas mais velhas (Vitória, Nina e Lira) foram todas adotadas. A Vitória (Vivi para os íntimos) o dono estava afogando os cachorrinhos porque a cadela dele era da raça Serra da Estrela e tinha engravidado de um cão desconhecido, eu ainda consegui salvar ela e o irmão dela que dei a um amigo do meu filho. A Nina estava toda ensanguentada embaixo do nosso carro, nem conseguia ficar em pé, eu pensei que tinha sido atropelada e levei no veterinário, afinal eram só fome e ossos de galinha perfurando o estômago. A Lira estava num canil municipal para ser abatida e eu tinha participado numa campanha para adoção desses animais que seriam abatidos, como ela estava muito feia e coberta de sarna e pulgas, ninguém quis, ai eu trouxe para casa. Os 2 mais novos (Simon e Daisy) são da raça Jack Russel e eu comprei porque fazia anos que eu queria um cachorro dessa raça e estou absolutamente encantada com eles. Fora isso tem o cavalo Criolo” – Rejane Oliveira, jurista na câmara municipal de Lisboa 

bichos de estimação
Rejane e Criolo
bichos de estimação
Turma da Rejane

Após esses relatos dessas pessoas apaixonadas por seus “filhos”, não há como negar a importância desses bichinhos na vida de cada uma delas, essa relação entre eles fazem com que essas pessoas se sintam mais seguranças e amadas. Todos muito orgulhosos em contar um pouco sobre a relação entre eles e os seus companheiros.

13022297_1177816532231330_457359603_n

“E eu não poderia deixar de falar da minha filha, a Lila, uma pequena vira lata, deixada na porta de minha casa ainda muito novinha. Hoje com um pouco mais de um ano é a alegria da casa, sempre brincando com o vovô e a vovó (meus pais), aprontando todas, sendo a princesa da casa. – Catarina Barbosa, autora”

Confira o trabalho do Cão Terapeuta:

Veja também:

Fontes: G1, Manual do Homem Moderno, Hypeness, Cão Cidadão, Cão Terapeuta

Leave your vote

1 point
Upvote Downvote

Total votes: 1

Upvotes: 1

Upvotes percentage: 100.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%